23 fevereiro, 2008

Hipertensão Arterial Sistémica - Tratamento não Farmacológico


São as modificações de estilo de vida, as mais valias comprovadas na redução da pressão arterial: a redução do peso, a redução da ingestão de sódio, maior ingestão de potássio, uma dieta rica em frutas e vegetais e alimentos com pouco teor de gordura, a diminuição ou abolição do álcool e a actividade física. Alimentos ricos em cálcio actualmente são preconizados em conjunto com toda a série de medidas dietéticas já citadas, que juntas são benéficas para a redução da PA. A ingestão de magnésio, de derivados do ácido ecosanóico e aumento da ingestão de proteínas entre outros, não possuem até o momento evidências de valor comprovado, que indiquem sua utilização. A interrupção do fumo não interfere directamente sobre a redução da pressão, no entanto trata-se de importante factor de risco cardiovascular e deve ser incentivada.

As modificações do estilo de vida são aplicáveis a todos os pacientes que se propõe a diminuição do risco cardiovascular, incluindo os normotensos, e necessárias também quando se impõe o tratamento farmacológico da hipertensão.

Seguem comentários específicos sobre cada medida:

Sal: Os pacientes hipertensos podem ser divididos em sensíveis e não sensíveis ao sal. Apesar da resposta heterogénea a restrição de sódio é recomendável de uma forma geral uma ingestão de sal menor que 6g/dia ou cerca de 2,3g de sódio.

Redução do peso: Os mecanismos envolvidos na redução da pressão arterial relacionados a perda de peso incluem: a redução da actividade adrenérgica, do colesterol plasmático e da resistência insulínica. Mesmo reduções pequenas de peso possuem efeito protector sobre o risco cardiovascular.

Potássio: Há evidencias de protecção para AVE e menor necessidade de medicamentos para o controle da PA com a ingestão do potássio.

Cálcio, Magnésio, Proteínas e Ac. Gordos monoinsaturados : Estudos são controversos quanto a redução da PA. Não há suporte até o momento para indicação de uso isolado de alguma dessas substâncias com fim de redução de PA.

Dieta DASH: O VII JNC menciona o trabalho DASH (Dietary Aproaches to Stop Hypertension) como um plano dietético benéfico. A dieta utilizada preconiza vegetais, frutas, baixo consumo de gorduras (saturadas e total), sendo rica em potássio e cálcio. A adopção da dieta DASH, com medidas alimentares mais completas, possui um efeito hipotensor muito maior que a restrição isolada do sódio e do uso isolado de qualquer outra medida.

Álcool : O uso excessivo de álcool esta relacionado com o aumento da pressão arterial. No entanto em baixas doses o álcool pode se mostrar hipotensor e até protector de eventos coronários. Dessa forma, a melhor orientação aos pacientes que ingerem álcool habitualmente é que o façam em pequenas quantidades, preferencialmente apenas nas refeições, não sendo necessária a recomendação de interrupção, salvo nos pacientes que possuam indicações para tal, como nos com história de dependência alcoólica, nos hepatopatas e nos portadores de deficiências imunológicas.

Actividade Física: Exercício físico não isométrico tem se relacionado com redução da pressão arterial, independentemente dos efeitos de aumento de sensibilidade a insulina e redução de peso. Ocorre ainda redução das taxas de colesterol total e diminuição na taxa de mortalidade por todas as causas. O mecanismo directo de redução da PA esta relacionado com a diminuição da actividade simpática reflectida por vaso dilatação persistente pós exercício.

Stress: Activa o sistema nervoso simpático, participando da patogénese da hipertensão. Acredita-se que pacientes stressados necessitam de maior quantidade de medicação para controle. Não há nenhuma técnica comprovada de redução de stress que se relacione com a redução da PA.

Café e cafeína: Apesar de simpaticomimético não há relação entre a ingestão do café e cafeína com o aumento da pressão arterial.

Referência: Manuais de Cardiologia, Dr. Reinaldo Mano

1 comentário:

  1. fis uma artroscopia em 7/5/2010 dai em diante numca mais soube qque é não ter dor no grupo de ombro onde me tratava me mandaram pra o grupo de dor na neuro e la disserão que estou com a sindrome do ombro congelado e querem faser um tal de bloqueio estou com medo me ajude e este mesmo o proscedimento ou estão me jogando prala e praca so porque sou velha tenho 58 anos

    ResponderEliminar