25 setembro, 2013


Digo isto com frequência aos pacientes e nas aulas. É uma espécie de 'máxima' minha.

70% do corpo é composto pelo sistema neuro-músculo-esquelético, ie, 70% do nosso corpo requer uma energia brutal nas tarefas do dia a dia. Se este sistema não estiver na sua óptima saúde, como por exemplo uma pessoa com uma artrose na anca, vai despender de mais energia para a sua locomoção, energia essa necessária para outras funções. O tratamento apenas sintomático é prolongar este défice de energia, é dizer ao corpo para não sentir o seu desgaste, é dizer para não comunicar, é contribuir para a doença, para o degradar de estruturas que de sintomáticas passam a crónicas iniciando um ciclo de compensações que pode até alterar o funcionamento de outros sistemas. O Osteopata e a terapêutica manual tem aqui o seu espaço, a sua intervenção. Uma causa não deve ser confundida com uma consequência. A consequência (sintoma) é óbvia, o que lhe antecede é a verdadeira procura do Osteopata, a resposta ao tratamento é a re-descoberta da saúde do paciente.